Pessoal

As coisas que não são coisas (mas que me fazem muito feliz)

08:00


- Chuva depois de um dia muito quente
- Bolo quentinho
- Abraços apertados
- Cafuné
- Chorar de dar risada 
- Cantar uma música bem alta no carro
- Acertar uma questão de física
- Ir em lojas de papelaria
- Banho gelado depois de um dia muito quente
- Usar vestidos
- Passar um dia inteirinho com o amô (<3)
- Ensinar algo a alguém
- Arrumar meu quarto
- Arrumar malas
- Ver coisas de casa
- Livros novos (!!)
- Ganhar chocolate para aliviar a cólica
- Chocolate quente feito por meu pai
- Suco de abacaxi da minha sogra
- Coisas de casamento
- Organizar meus cadernos
- Ganhar algum elogio bobo
- Ganhar lambidas dos meus cachorros
- Puxar a pele da "bochecha" da minha cadela
- Suco de manga recém caída do pé
- Dia de comer fast food
- Instagram de bichos
- Fazer aniversário
- Andar na praia vazia
- Ver a maré baixa
- Fazer alguma comida nova (e me sentir a próxima masterchef)
- Rir de algumas teorias loucas da minha mãe
-Ver filmes inspiradores
- Escrever

O post original foi idealizado pela Sté, do Chez Noelle. E eu vi a ideia lá no Amorecando, da Fer.  Se você curtiu e tem um blog, faz também e deixa o link aqui nos comentários. Se você não tem blog, pode deixar aqui nos comentários suas coisas (mas que não são coisas, hein?) que te fazem feliz eu vou adorar ler! Afinal, felicidade compartilhada é felicidade dobrada!   ♥

Pessoal

Os sonhos não rentáveis

23:30


Me perdoem, mas acho que vou fazer um texto um pouco grande hoje... 

No fim da última semana eu assinei o netflix. Estou de férias e resolvi que poderia me dar esse pequeno luxo. Comecei assistindo um seriado clichê aqui, uma novidade acolá e eis que me aparece como sugestão de filme:  Magia além das palavras.

Esse texto não é para fazer uma resenha sobre o filme, mas acho que devo contar só sobre o que se trata: JK Rowling e toda sua história até a publicação de Harry Potter e a Pedra Filosofal. Eu já sabia um pouquinho da história da autora por ser fã dos livros e como toda e qualquer pessoa curiosa, fui no wikipédia (quem nunca?) pesquisar sobre a vida dela. 

Mas ver esse filme me fez pensar no quanto nós nos boicotamos simplesmente porque nossos sonhos não são "rentáveis". Se você tiver uns 18 ou 20 anos, já deve ter ouvido a frase clássica "você deveria prestar concurso" dos seus pais ou de um parente próximo, porque a faculdade que você cursa não dá o dinheiro que sua família espera que você gere, afinal, "você é tão inteligente"

E foi vendo a vida de JK passando ali naquele filme em que eu comecei a me sentir culpada... Não pelo curso que faço na faculdade, que eu amo, mas sim pelo fato que de algum tempo pra cá eu comecei a reduzir o meu tempo de escrita absurdamente, afinal, nunca ganhei um mísero centavo com isso (o mais perto de ganhar dinheiro escrevendo que eu cheguei, foi dando aulas particulares de português) e precisei me focar na minha faculdade e etc. 

E então, durante todo o filme, JK Rowling diz que tudo que ela quer ser é escritora. Mas seu sonho sempre é cortado por coisas meio pesadas, e Harry Potter demorou muito tempo para ser escrito por causa disso. Fiquei me perguntando: será que se todos os planos que ela tinha desde o começo fossem estimulados e não jogados na reserva (muitas vezes pelo seu próprio pai) porque não era algo rentável, Harry Potter não teria surgido? Ou teríamos tido esse sucesso lançado mais cedo? 

Seja como for, o que eu tomei como lição foi: não devemos parar de acreditar nos nossos sonhos não rentáveis. Precisamos de dinheiro? Sim, afinal, precisamos pagar contas. Mas também precisamos alimentar nossa alma. O alimento para uns é a música, outros o desenho e para um monte de pessoa que eu conheço é a escrita. Assim, percebi que daqui por diante devo separar mais tempo para alimentar minha alma com essas palavras que saem nos meus dedos e assim, aliviar o que eu penso da minha mente. E eu acho que todo mundo deveria fazer isso também: procurar algum alimento para a sua alma e não só um emprego que pague as contas no fim do mês. 

Eu avisei que seria um texto grande! Um muito obrigada para quem leu até aqui :)