Pessoal

As coisas que não são coisas (mas que me fazem muito feliz)

08:00


- Chuva depois de um dia muito quente
- Bolo quentinho
- Abraços apertados
- Cafuné
- Chorar de dar risada 
- Cantar uma música bem alta no carro
- Acertar uma questão de física
- Ir em lojas de papelaria
- Banho gelado depois de um dia muito quente
- Usar vestidos
- Passar um dia inteirinho com o amô (<3)
- Ensinar algo a alguém
- Arrumar meu quarto
- Arrumar malas
- Ver coisas de casa
- Livros novos (!!)
- Ganhar chocolate para aliviar a cólica
- Chocolate quente feito por meu pai
- Suco de abacaxi da minha sogra
- Coisas de casamento
- Organizar meus cadernos
- Ganhar algum elogio bobo
- Ganhar lambidas dos meus cachorros
- Puxar a pele da "bochecha" da minha cadela
- Suco de manga recém caída do pé
- Dia de comer fast food
- Instagram de bichos
- Fazer aniversário
- Andar na praia vazia
- Ver a maré baixa
- Fazer alguma comida nova (e me sentir a próxima masterchef)
- Rir de algumas teorias loucas da minha mãe
-Ver filmes inspiradores
- Escrever

O post original foi idealizado pela Sté, do Chez Noelle. E eu vi a ideia lá no Amorecando, da Fer.  Se você curtiu e tem um blog, faz também e deixa o link aqui nos comentários. Se você não tem blog, pode deixar aqui nos comentários suas coisas (mas que não são coisas, hein?) que te fazem feliz eu vou adorar ler! Afinal, felicidade compartilhada é felicidade dobrada!   ♥

Pessoal

Os sonhos não rentáveis

23:30


Me perdoem, mas acho que vou fazer um texto um pouco grande hoje... 

No fim da última semana eu assinei o netflix. Estou de férias e resolvi que poderia me dar esse pequeno luxo. Comecei assistindo um seriado clichê aqui, uma novidade acolá e eis que me aparece como sugestão de filme:  Magia além das palavras.

Esse texto não é para fazer uma resenha sobre o filme, mas acho que devo contar só sobre o que se trata: JK Rowling e toda sua história até a publicação de Harry Potter e a Pedra Filosofal. Eu já sabia um pouquinho da história da autora por ser fã dos livros e como toda e qualquer pessoa curiosa, fui no wikipédia (quem nunca?) pesquisar sobre a vida dela. 

Mas ver esse filme me fez pensar no quanto nós nos boicotamos simplesmente porque nossos sonhos não são "rentáveis". Se você tiver uns 18 ou 20 anos, já deve ter ouvido a frase clássica "você deveria prestar concurso" dos seus pais ou de um parente próximo, porque a faculdade que você cursa não dá o dinheiro que sua família espera que você gere, afinal, "você é tão inteligente"

E foi vendo a vida de JK passando ali naquele filme em que eu comecei a me sentir culpada... Não pelo curso que faço na faculdade, que eu amo, mas sim pelo fato que de algum tempo pra cá eu comecei a reduzir o meu tempo de escrita absurdamente, afinal, nunca ganhei um mísero centavo com isso (o mais perto de ganhar dinheiro escrevendo que eu cheguei, foi dando aulas particulares de português) e precisei me focar na minha faculdade e etc. 

E então, durante todo o filme, JK Rowling diz que tudo que ela quer ser é escritora. Mas seu sonho sempre é cortado por coisas meio pesadas, e Harry Potter demorou muito tempo para ser escrito por causa disso. Fiquei me perguntando: será que se todos os planos que ela tinha desde o começo fossem estimulados e não jogados na reserva (muitas vezes pelo seu próprio pai) porque não era algo rentável, Harry Potter não teria surgido? Ou teríamos tido esse sucesso lançado mais cedo? 

Seja como for, o que eu tomei como lição foi: não devemos parar de acreditar nos nossos sonhos não rentáveis. Precisamos de dinheiro? Sim, afinal, precisamos pagar contas. Mas também precisamos alimentar nossa alma. O alimento para uns é a música, outros o desenho e para um monte de pessoa que eu conheço é a escrita. Assim, percebi que daqui por diante devo separar mais tempo para alimentar minha alma com essas palavras que saem nos meus dedos e assim, aliviar o que eu penso da minha mente. E eu acho que todo mundo deveria fazer isso também: procurar algum alimento para a sua alma e não só um emprego que pague as contas no fim do mês. 

Eu avisei que seria um texto grande! Um muito obrigada para quem leu até aqui :)

Pessoal

Aquela velha história

18:54


me sinto uma heroína de ter sobrevivido ao último mês

O post de hoje é bem curto. É só para avisar que depois de um mês de blog meio que desativado eu, finalmente estou de volta. E o motivo do meu sumiço? O mesmo de sempre: A faculdade. 

Desde que a greve acabou entrei na correria para finalizar o semestre e olha, foi suado, foi desesperador. Ainda não sei todas as minhas notas e espero (do fundo do coração) que sejam todas boas o suficiente. 

Não sei a freqüência que vou voltar a escrever aqui, afinal, minhas costas ainda doem dessa temporada de estudos (acho que chegava a estudar 10 horas por dia), meu cérebro ainda está cansado da overdose de cálculos que teve que voltar a fazer em um curto espaço de tempo. Em resumo: meu corpo ainda está clamando um pouco de descanso. 

Então, assim que der estarei aqui de novo, falando sobre o que eu mais sei: falar sobre nada específico. Espero vocês (seja lá quem for que esteja lendo isso) nos próximos post. 

Até daqui a pouco

Viagem

3 motivos para amar as tatarugas marinhas

22:27

Isso é uma escultura enorme de uma tartaruguinha saindo do ovo logo na entrada do TAMAR

Eu sempre achei as tartarugas marinhas uma das coisas mais lindas e fofas e que dão vontade de apertar que existem no planeta. Tanto que, durante algum (bom) tempo, pensei em cursar oceanografia para poder entender melhor o funcionamento dos mares e assim, poder trabalhar no TAMAR. 

Acabei não cursando oceanografia mas, sempre que dá, eu arrumo um motivo para passear no TAMAR de Praia do Forte (Litoral Norte daqui da Bahia) e ver todas aquelas lindezas e tentar clicar todas elas. 

Então, no último final de semana, eu fui (junto com meus pais e meu namorado) fazer uma visita a elas e aí quando eu cheguei em casa e fui repassando as fotos e visualizando no computador, vi algumas tão engraçadinhas que não tem como não postar no blog. Por isso, selecionei três dessas fotos  que mostram porque devemos amar esses bichos. 


Na foto acima, tem uma tartaruga que eu passei bem uns dez minutos observando e ela não se mexia. Ela ficou simplesmente lá, no mergulho dela, sem se mover. Engraçado era ouvir as crianças falando "ela tá morta?" ou então "essa é de mentira", enquanto a verdade é que ela só tava ali, curtindo a vida de boas.  E esse é o motivo nº 1 para amá-las: Elas estão sempre curtindo a vida de boas. 


Já nessa segunda foto dá para ver duas tartarugas nadando e uma cena que eu vi acontecer pelo menos umas duas vezes: elas iam nadando e quando ia chegando nas curvas, elas colocavam as nadadeiras para fora da piscina (é piscina ou tanque que elas ficam? acho que são piscinas) e ficavam parecendo quando a gente perde o controle naqueles carrinhos de bate bate, sabe? Por isso o motivo nº2 para amar as tartarugas é: elas acabam tendo dificuldades na curva tanto quanto a gente. 

E nessa última daqui, essa tartaruga estava nadando um monte e resolveu ir pra parte mais rasa da piscina e daí colocou a carinha para fora para respirar. Engraçado que quando eu olhei essa foto, pensei que parece que ela está respirando fundo pra conseguir encarar a vida. E esse é o motivo 3 para amar essas lindas: Até elas precisam respirar fundo porque elas bem sabem que a vida não está fácil. 

Bom, esses foram os três motivos que eu trouxe para amar as tartarugas. Além disso, lembrem sempre que não devemos jogar sacos plásticos (na verdade nenhum tipo de lixo) no mar porque nossas amiguinhas acham que o plástico é, na verdade, comida para elas e acabam morrendo depois de comer um monte de plástico. E, se algum dia der, visitem o TAMAR. É um projeto sério, incrível e tem ajudado as tartarugas marinhas que chegam no nosso litoral há anos. 

Espero que tenham gostado!

Pessoal

MasterChef Jr e a minha inabilidade na cozinha

13:00


Estou escrevendo esse post logo depois de terminar de assistir o primeiro episódio do Master Chef Junior do Brasil no youtube. Eu já havia assistido um episodio aleatório da atração americana (foi até a final da temporada lá) e tinha achado surreal o quanto aqueles meninos conseguiam cozinhar e montar pratos belíssimos e não sei porque não tinha me apaixonado pelo programa antes. 

E a questão é: como é que crianças conseguem desenvolver receitas que exigem muita qualidade técnica, treino e talento para fazer e, além disso, com um prazo de tempo apertado? Eles pronunciam palavras que eu nem sabia que existiam, combinam sabores que eu achava que seria surreal juntos. 

Um exemplo: no final do primeiro episódio as crianças são desafiadas a fazer sobremesas. O meu pensamento? Faz um brigadeiro que tá bom! Mas não, ninguém fez um brigadeiro. Fizeram de naked cake para cima e as receitas eram tão complexas que eu não consigo transcrever nenhuma aqui. 



Enfim. estou encantada pelo programa. Minha vontade é de ir agora mesmo na cozinha arriscar os pratos simples que eu sei fazer: bife, arroz, macarrão... Ou seja, o suficiente para não morrer de fome e até mesmo começar a treinar pratos novos e diferentes que minha mãe nunca me ensinou.

Será que se eu começar agora consigo me preparar para um masterchef 3ª idade? Se sim, podem me aguardar lá. 


Pessoal

Um papo sobre responsabilidades

21:30


Eu acho que eu era odiada secretamente nos meus tempos de escola. Não, não estou brincando! Eu era aquela típica menina que vinha com trabalhos gigantescos quando a maioria da turma tinha feito um trabalhinho meia boca ou que sempre vinha com textos enormes decorados para as apresentações quando a maioria das pessoas estavam com papeis e mais papeis para lerem diante da sala. 

O que acontece é que eu sempre fui duas coisas: CDF e proativa. E, eu quero falar é da segunda coisa hoje, porque a primeira coisa a maioria das pessoas tem raiva.

 

Então vamos lá: dei um google e num site chamado significados a definição que tinha lá era dentre outras coisas, o seguinte trecho estava lá: " está relacionado ao ato de evitar ou resolver um provável problema antes mesmo que ele aconteça. Planejando e executando ideias e tarefas, uma pessoa proativa (ou pró-ativa) consegue evitar situações negativas". Ou seja: eu fazia tudo antes, e tomava a frente das coisas antes da coisa ruim acontecer, que naquela época era minhas notas irem por água abaixo. 

O que acontece é que os anos passam, e depois do primário vem o ensino médio e vem a faculdade, os empregos e por aí vai. O que me deixa absurdamente irritada é o fato é que tem gente que ainda não aprendeu que existem pessoas que dependem do trabalho delas e ficam protelando, enrolando, queimando e deixando um monte de gente a ver navios. 

A questão é que não é só não ser proativo, ou seja, não tomar a frente de algo que pode ocasionar algo ruim mas também de falta de responsabilidade. Muita gente esquece que chega uma hora que não tem mais professor escrevendo recadinho pra mãe assinar mas que mesmo assim, não significa que não devem entregar as coisas na data. 

Então, se você é uma dessas pessoas que não tem essa responsabilidade de aparecer na hora combinada ou não envia aquele email como foi o combinado mais cedo, por favor, pare! Sério!

Isso irá nos ajudar a termos relações mais amigáveis, terei dias menos sobrecarregados e ainda posso ser menos ranzinza! Mas só se você fizer sua parte. :)

A Hermione também agradece



Links

5 blogs que tem o meu amor

14:00


Eu amo ler blogs e ver vídeos no youtube! Passo horas pulando de um blogroll para outro, de um canal relacionado para outro e quando percebo o dia já foi embora. Pois hoje eu resolvi reunir 5 blogs que tem o meu amor e que não são conhecidos por tanta gente quanto eu acho que deveria. Por isso, resolvi deixar aqui esses blogs que deveriam ter barra de rolagem infinita de tão gostosos que são de ver parar passar o tempo. 

Muitos deles eu nunca nem deixei nenhum comentário. É, eu sei que comentários são muito bem vindos nos blogs mas é que eu sou uma espectadora meio calada. Mas prometo que daqui pra frente vou sair deixando meu olá para a galera. Juro que não comento porque tenho medo de soar idiota demais para pessoas que eu realmente curto o trabalho. 

Então, aqui vai a listinha de blogs (não está em ordem de preferência) e as blogueiras (caso o blog não tenha o nome da autora no título, vou por o nome do ladinho) que tem meu amor. 

1. Babee - Bárbara Pedrosa 


3. Que se Ame - Bru Santos

4. Keep Camy - Camylla Abreu

5. Dont Scratch That - Maria Paula

A maioria desses blogs indicados eu conheci através de um grupo maravilhoso no facebook que se chama Coisas de Blogueiras, onde a gente bate muito papo, trocamos ideias sobre blogs e somos muito felizes. 

Espero que, como eu, vocês tenham gostado dos blogs das meninas e prometo que em breve farei outra edição, porque foi mó difícil escolher só cinco blogs que têm meu amor.  

p.s.: Eu não poderia perder a oportunidade de divulgar que estou colaborando para o blog da Fer, o amorecando. Eu vou amar que vocês vejam meus textos por lá, nenhum deles nunca tinham sido publicados, então corre que é novidade. 

Música

Playlist: Volta as aulas

15:00


Vocês devem ter achado "Nossa, como a Érica tá atrasada... As aulas desse semestre voltaram desde agosto". Mas para mim não é bem assim... Enfrentei quatro meses de greve (a minha primeira greve na federal e já comecei assim) e, finalmente, os professores resolveram encerrar a greve, para que eu termine finalmente o 2015.1. 

Desde que foi anunciado (anteontem) que eu tenho que voltar as aulas na próxima segunda feira, tratei de remontar minha playlist de "força nos estudos" e recomecei com as integrais, com a física, resgatei meus post it e minhas canetas. 

Achei que minha playlist ficou tão boazinha de ouvir enquanto faço isso tudo que resolvi compartilhar aqui no blog para dar uma empolgada a quem já está no gás para as provas e porque música sempre deve ser compartilhada. 


Texto

Para lavar a alma

15:00

Imagem via

Desde quando eu saí do show dos Los Hermanos na ultima segunda (dia 12) eu andei pensado que esse texto precisava nascer, mas por algum motivo desconhecido eu só lembrava que eu queria escrever sobre esse assunto quando já estava quase apagada de sono e o meu cansaço era maior do que minha vontade de levantar para pegar a caneta ou o notebook. 

Acho que todo mundo tem que ir pelo menos uma vez na vida a um show que lave sua alma. Por mais nojenta que a pessoa seja quanto a enfrentar uma multidão, alguma banda deve valer o esforço e fazer com que ter saído de casa tenha sido a melhor opção. 

E foi isso que aconteceu nesse ultimo show que eu fui. Sou uma fã relativamente recente dos caras, em comparação a maioria da plateia, mas mesmo assim a sensação que eu experimentei naquela casa de show foi surreal. 

Imagem via

Foi surreal ver milhares de pessoas, a maior parte de faixa etária parecida com a minha, chegando para assistir um show de banda de rock na terra do axé (e fica aqui registrado que eu sempre disse que a Bahia não é só axé e pagode, Brasil) em pleno final de feriadão. Boa parte das pessoas que passavam por mim (ou eu passava por elas) pareciam ter medo de respirar, com medo de que aquele dia fosse só um sonho. 

E não, não era. Los Hermanos começaram o show ao som de 'O Vencedor' para delírio da plateia que cantava cada verso de cada música que era executada pareciam que estavam cantando um hino. Mas talvez fosse um hino mesmo, o hino da vida de cada um que ali estava. O povo cantava as músicas que estavam presas na garganta desde o ultimo show, em 2012.

Eu sei que eu perdi a voz, voltei pra casa com um joelho dolorido de ter ficada apoiada na grade do camarote que eu estava (a grade era muito alta... ou eu sou muito pequena) e que  cheguei em casa com uma certeza: todo mundo deve ir num show assim. E aguardo ansiosamente pela chance de viver isso de novo. 

Texto

Transições

15:00

Imagem via
É engraçada essa tal história de crescer né? Sei lá, sempre achei que todo mundo ao nosso redor vai reparando assim "ah, ela cresceu" e aí agiriam com a gente dessa mesma forma, como se cada um recebesse uma espécie de manual para como tratar as pessoas que vimos crescer, sabe? É que chega uma hora que não é mais legal apertar as bochechas em público (aliás, isso nunca foi legal), nem deixar na porta da escola ou ainda soltar um clássico "para mim, você nunca cresceu"

Quando vamos fazendo transições entre frases de vida, queremos que nos enxerguem como tal. Se saímos da fase criança e nos tornamos adolescentes, achamos que devemos ter algumas regalias da vida: sair sem supervisão, ir para a escola sozinho, dormir na casa dos amigos e por aí vai.

E quando, teoricamente, viramos adultos? Segundo a lei, somos responsáveis pelos nossos atos a partir dos 18 anos. Mas e para quem nos viu crescer, quando é que viramos adultos? Acho que essa fase é ainda pior do que a anterior, sem sombra de dúvida. 

Imagem via

Sentem dificuldade em nos deixar ir, em nos deixar esvaziar o ninho. Acho que é complicado aceitar que aquele ser que era tão indefeso é capaz, hoje, de traçar seu caminho com certeza e, por que não dizer, sabedoria. Acho que se afligem porque não querem acreditar que nós, com nossos 18 ou 20 anos, já sabemos o que queremos, os nossos gostos e que não precisam mais nos empurrar brócolis goela abaixo porque nós simplesmente já podemos escolher o que não queremos e, principalmente, o que queremos. 

Chega uma hora que o passarinho tem que voar. Mesmo que ele ainda volte para o ninho dos pais durante um tempo, ele não deve ser impedido de fazer voos de teste, até se sentir pronto (ou que as condições estejam ao seu favor) para que ele voe só e siga seu rumo sozinho.

Música

Para Ouvir: Los Hermanos

14:00

imagem via

Irei ao show dos Los Hermanos no dia 12/10 e não consigo conter minha ansiedade. Ando escutando as músicas todos os dias e descobrindo quais letras que eu cantava errado sem nem perceber. Existe uma possível set list do show circulando pela internet: tem musicas que  eu queria muito que rolassem, mas outras que eu realmente desejava ouvir ao vivo, parece que não vai rolar. Enquanto me preparo para a próxima segunda feira, nada mais justo do que fazer uma playlist só com música dos caras. Aviso logo: São clichês mesmo, mas eu amo clichês. 


Pessoal

Acho que isso é uma boa nova

22:17


É engraçado essa ideia de ter blog: Quando você tem e não tem tempo pra postar, entra em crise existencial e decide fechar o blog. Aí você arruma um pouco de tempo e começa a brotar aquela ideia de que se deve voltar pro seu cantinho na web e daí você passa por uns tempos de falta de criatividade e fica se culpando por não conseguir escrever nada. 

Aí vem a outra parte do problema: é um tal de enjoar do layout, ter raiva de não saber mexer em códigos html e muito menos em programa de edição de imagens e ficar se achando a pessoa mais sem sal do mundo e que ninguém vai se interessar pelo o que você posta. 

Por fim, vem a parte que você acha que é desgastante falar sozinha e que queria que alguém lesse o que você diz. Não para ser famosa nem nada disso, mas só para ler comentários do tipo "passei pelo mesmo, miga" ou então "esse texto ficou ruim, mas boto fé que no próximo cê vai arrasar". 

Depois de algum tempo você passa a não ligar, principalmente para ultima parte. E só pensa "quer saber? Isso é a minha terapia" e aí aprende quase nada de códigos e edita um layout free, monta um cabeçalho que tenta ser legalzinho, volta a buscar no site de imagens e promete a si mesma que vai aprender a fazer as tais edições legais em programas de imagem. 


E, no fim de tudo, faz um textão só para dizer: Estou de volta

Utilidades

3 palestras do TED que você precisa assistir

18:19

TED  é uma sigla para Technology, Entertainment, Design, que em português significa Tecnologia, Entretenimento e Design e é uma série de conferências realizada ao redor do mundo, para disseminar ideias. Suas apresentações são limitadas a dezesseis minutos e os vídeos são divulgados na internet. 
Eu conheci a proposta do TED no meu 2º ano do Ensino Médio, em 2011, quando uma professora de sociologia passou um trabalho onde nós deveríamos fazer apresentações parecidas com as dos vídeos dos TEDs que ela passou em sala, ou seja, dando uma ideia que fosse boa o suficiente para ser repassada. 

Imagem via (link)

Voltei a assistir palestras do TED na semana passada depois de ver um vídeo da Bruna Vieira com a Georgia Gabriela, desse vídeo fui ver o TED da Georgia e a partir daí, fui passeando em várias palestras inspiradoras e resolvi compartilhar três delas por aqui, já que a ideia do projeto é essa. 

1. Raíssa Müller - Da loucura de sonhar ao desafio de conquistar



2. Gustavo Reis - Seja um fracassado 


3. Bel Pesce - As figurinhas, a carta e o conselheiro dos sonhos


Espero que essas palestras tenham sido tão inspiradoras pra vocês quanto foram para mim. Aliás, vocês tem alguma que queiram me indicar?


Pessoal

20 anos

09:30



Gosto dessa história de colocar um dedo a mais na contagem da minha idade e hoje encerramos essa história afinal, minha idade nova contabiliza todos os dedos das mãos e dos pés! E isso não é ruim, eu acho. Só mostra que tive mais um ano muito legal e que sou muito sortuda por estar onde eu estou. Aprendemos muitas coisas no decorrer do ano, rimos a toa, nos enraivamos bastante, tomamos muita chuva mas acho que no fim das contas é tudo programado para que cresçamos, ao menos mentalmente, já que minha altura parou no 1,53 há algum tempo. 

Hoje é meu dia de ser paparicada, de receber mensagens que não vou saber responder, de ganhar presentes ótimos e outros nem tão bons assim. Hoje é dia de ganhar abraços apertados, daqueles que a gente fica balançando de um lado para o outro por um tempão. Hoje é dia de comer coisa gostosa e pedir desconto em qualquer lugar que eu for, porque hoje é meu dia! 

Sempre gostei de fazer aniversário. Acho muito legal essa ideia de que a cada ano que passa vamos ganhando direitos novos com a nossa idade e sempre guardo comigo a ideia de que essa idade nova vai me trazer muitos benefícios, mesmo que não seja tão num passe de mágica quanto parece ser. 

Agora eu sou uma "vintona" e eu sempre acreditei que é na casa dos vinte que as coisas mais empolgantes da nossa vida acontecem, acho que chegou a hora de eu descobrir se isso é real ou não. O que eu for descobrindo eu conto por aqui. 



Texto

Sem nóia e sem desespero

13:30


Um dia desses eu estava conversando com uma amiga. Ela tinha passado por uma fase de limpeza, por assim dizer... Basicamente ela se afastou do blog, das redes sociais, e fez uma viagem interior no estilo "comer, rezar e amar" mas sem a parte das viagens. Ela só mergulhou numa longa viagem nela mesma para ver o que andava errado e o que ela precisava consertar. 

Não sei ao certo o que ela descobriu dessa imersão mas eu sei que ela "voltou" muito mais feliz e de bem consigo mesma e até cortar o cabelo ela cortou (e ficou supimpa!). Voltou a interagir nas redes sociais, voltou ao blog dela e até começou a escrever para outro blog e me disse que estava se amando muito. 

É interessante sobre o quanto precisamos disso e muitas vezes nem nos damos conta, não é? Eu mesma, estava há uns bons meses sem conseguir abrir o blogger para elaborar alguma coisa nova por aqui, mas nada que uma viagem de quatro dias quase sem sinal de celular e internet (só o básico para avisar a meus pais que eu estava viva) conhecendo pessoas legais, comendo comidinhas feitas na hora e sentindo o ar puro (e frio) do interior não resolvesse. 

Tá, e o que eu quero com esse texto? É bem simples, amiguinha. Se você estiver se sentindo assim , meio que "está faltando uma coisa por aqui", tenta se entender. Sai desse facebook onde todo mundo mostra que sua vida tá o máximo e do instagram onde os filtros fazem todos parecerem as pessoas mais felizes da Via Láctea. Sai um pouco (seja seu pouco algumas horas ou dias, tanto faz) e tenta se concentrar em coisas mais simples. Tudo volta ao normal em algum momento, nada de ficar se cobrando porque já basta das cobranças que temos por vida, tá? 

Respirar fundo, ouvir uma boa música e dormir ouvindo o barulhinho da chuva são boas alternativas para melhorar o seu dia, ou semana, ou vida. Sem nóia, sem desespero. Tudo se acerta e todos nós somos legais. 

Música

Cê tá vendo que a gente é nordeste, cabra da peste

10:00

Essa foto é da Geovanna que tem a maior sorte de morar em Campina Grande. Ah, dá uma olhada no blog dela
Junho é um mês mega especial para boa parte dos nordestinos. É o mês de Santo Antônio, São João e São Pedro, santos que são muito queridos pelas pessoas dessa parte do país. Os festejos envolvem muita comida gostosa, muitos fogos de artificio para crianças e adultos, muitas fogueiras (essa parte pra mim é péssima porque sou muito alérgica) e as famílias que saíram do interior voltam para as suas cidades natais e passam um feriado regado a licor de todos os tipos e ouvem um forró do bom. 

O post de hoje veio depois do dia 23 (véspera do dia de São João) mas ainda é válido para trazer uns forrós gostosos de ouvir e de balançar de um lado para o outro na cadeira. 


Falamansa - Xote dos Milagres



Estakazero - Sapatilha 37



Gilberto Gil - Respeita Januário/ Xote das Meninas/Eu só quero um xodó




Isso aqui tá bom demais - Dominguinhos


Ê delícia que é meu nordeste

Texto

Você e a paz

12:17


Escuto mais uma música daquelas que há uns oito meses atrás passaria despercebida dos meus ouvidos e cujo os vídeos jamais receberiam meu clique, Mas, hoje é ela que não sai do meu pensamento. 

Há algum tempo eu achei que tinha perdido "a mão" para a criação de textos. Será que os cálculos acabaram com a minha capacidade de romantizar? Na verdade, não. Ando tão romântica quanto antes, sinto tanta vontade de escrever quanto antes mas não consigo. 

Não consigo porque é impossível descrever a felicidade que encontro no seu olhar quando eu chego. É impossível descrever a minha alegria quando te faço sorrir. Não consigo porque não consigo expressar minha gratidão pela sua companhia quando eu passei mal nos seus braços. Não posso expressar a minha alegria quando você me dá aquele abraço e só para quando meus ossos estalam. Não posso escrever nossos momentos felizes porque são incontáveis. Repasso todos esses momentos na minha mente e penso: que sorte!

Que sorte de ter alguém para me acalmar todos os dias, de ter um abraço com o qual contar, de ter alguém que ri das minhas besteiras junto comigo e ter com quem planejar seja o programa do próximo final de semana ou a nossa vida daqui seis, sete, dez anos. 

Que sorte de ter encontrado a paz ao seu lado. 

Utilidades

5 links que você deve visitar #1

22:29


Sabe uma coisa que eu amo? Aqueles posts em meus blogs favoritos onde as blogueiras postam links que elas recomendam, sejam eles da semana, do mês passado ou do início da internet. Acho alguns bem úteis e legais para mim e quando eu percebo já estou com umas 10 abas abertas no meu navegador. 

Então, eu pensei cá comigo "Érica, está na hora de você escolher alguns links para deixar lá no seu blog". Por isso, estou aqui, com 15 abas bem interessantes abertas e selecionando as melhores para indicar aqui no meu bloguito! 

Vi esse link lá no blog da Yas e me apaixonei. Amo pesquisar sobre sistemas de organização e costumo pegar essas técnicas e ir adequando para a minha vida. Achei o sistema do bullet journal bem útil e estou aqui pensando em como posso adotar isso no meu dia a dia. 

Eu sou completamente apaixonada por cachorros e esse post me fez ficar sorrindo enquanto olhava as fotos da Gluta. Sempre me pergunto: Como não amar os cachorros? Tenho vontade de abraçar e ficar com todos para mim. 

Amo demais os textos da Julie! Eles são tão bem escritos que a gente chega a sentir o que ela sentiu (ou ainda mais) quando ela escreveu aquele texto. Esse texto é tão awn que é impossível não ser compartilhado,

#2 - Com você eu não preciso de batom 
Um texto açucarado (pq eu amo!) e lindo, daqueles que a gente termina de descer a página e fica triste porque queria ler mais.

#1 - Como aprendi a não ficar deixando as coisas para depois
Sou fã do blog da Fran (eita, quase um trava língua) e acho os posts dela super legais. Gosto do jeito que ela escreve conversando com a gente. Além disso, foi ela quem despertou ainda mais essa minha mania de organização (SOS SOS SOS) e esse texto me fez pensar um pouco.


Não sei com qual frequência esses posts vão ao ar, mas sempre que eu encontrar coisas legais, eu prometo que vou arrumando um tempo de indicar aqui no blog. 


Texto

Desculpa interromper o silêncio dos teus pensamentos

20:57


Ei, moça! Sei que você está com pressa, que a vida anda corrida e que você tem trabalhos da faculdade para entregar e desculpa por interromper os seus pensamentos mas é que eu preciso ter dois minutos da sua atenção. 

Reparei que anda triste, que mal fala e que sente saudades. Talvez você não quisesse sentir saudade e por isso está triste e mal fala porque se falar suas palavras terminem em lágrimas. Mas olha que coisa clichê que eu tenho para lhe dizer: tudo passa. 

Eu sei que a ferida ainda está aberta e que a sua cicatrização é lentíssima mas tudo que tiver de passar, com um pouco de remédio e bons cuidados, será fechado e ficará no passado. Eu sei que a sua ferida não se cura com um daqueles merthiolate que nossas mães compram na farmácia mas não é nada que um tempo mergulhada em bons livros e ouvindo algumas músicas não cure. 

Cuide dos seus sentimentos. Cuide do seu amor próprio. A cor voltará aos poucos para a sua vida e a saudade será como uma cicatriz fina de uma queda da infância. Você estará melhor e maior, alçando novos vôos. Vai olhar para trás e verá que foi preciso toda essa tristeza para que pudesse ter uma maior alegria no futuro. Experiência própria, vale avisar .

Agradeço a atenção, pode ir pegar seu metrô. Tenha um bom dia e pensa nisso. 

Texto inspirado no texto: "Você não sente a minha falta?" da Lare Figueiredo

Pessoal

E se perguntarem por mim, diga que estou ótima

00:17



Acho uma boa ideia ler esse texto ouvindo essa música. 
Estou numa fase da minha vida em que tudo anda corrido, os dias passam como vultos. Tenho horários atrapalhados, moro longe de onde estudo, comecei a dar algumas aulas particulares, minhas matérias exigem até a minha última gota de inteligência, morro de saudade de dois dos meus três cachorros e sinto falta de almoçar em casa. 

Engraçado é que se me dissessem isso há uns cinco anos atrás eu diria que uma vida assim eu estaria me arrastando e não vivendo. Ou então eu diria que jamais ia deixar a minha vida chegar a esse ponto. Pobre iludida essa eu de cinco anos atrás. 

Essa adolescente de 15 anos também diria que eu estaria infeliz. Teria bons argumentos para isso: Não estaria escrevendo e nem lendo com freqüência, tempo quase zerado de acesso a blogs e ainda por cima longe dos seus dois amores enormes e peludos. 

Pois é, é completamente o contrário. Me sinto feliz e satisfeita com a vida que eu estou levando agora. Amo o meu curso de graduação, amo a oportunidade de estudar uma nova língua, acho incrível como posso ajudar algumas pessoas dando aulas de assuntos que para mim são o simples do simples. Só não posso negar que a saudade dos meus cães com nome de peixe está me consumindo mas dá para levar afinal, nem tudo pode ser perfeito. 

Planejo viagens que eu acho que só conseguirei fazer no início do ano que vem. Seleciono livros que só posso ler em junho. Vejo lançamentos de filmes que só poderei ver quando forem lançados em DVD. E mesmo assim, quando vou dormir, deito com um sorriso (ou a sensação de um) no rosto. Quem diria que ser feliz não é ficar deitado numa rede vendo a vida passar! 

Estou vivendo e me sinto ótima por isso. Um pouco cansada, talvez. Acho que entendi uma coisa: Valorizamos as coisas que temos e conquistamos quando há suor nessa conquista. Espero que vocês entendam isso e sejam mais plenos daqui pra frente. 


Opinião

Eu queria ter a antiga blogsfera de volta.

22:11


Eu reparei nos últimos tempos eu ando com preguiça dos blogs que fazem sucesso pela internet adentro. Sou eu quem ando chata demais, reclamona demais? Não, não é inveja dos jabás que elas recebem. Nem o tanto de viagens que elas fazem. Eu sei o que me irrita lá no ultimo fio de cabelo é a perfeição com que tudo é feito. 

Estão todas sempre bem maquiadas e só escrevem postagens sobre produtos que são sempre maravilhosos. Estão sempre em ponte aérea e suas malas são sempre daquelas lindas e maravilhosas que minha mãe nunca me deixou comprar porque "são caras demais para uma mala que você raramente vai usar" (sim, minha mãe parte meu coração).

Reparei que sinto falta daqueles blogs lá do tempo em que meu pai assinou a banda larga aqui pra casa. Eram cantinhos (geralmente cor de rosa) que guardavam a alma de garotas que, assim como eu, tinham espinhas no rosto, gostavam de escrever textos num estilo não tão definidos assim e que de vez em quando se frustravam com os produtos comprados e iam xingar muito no twitter. 

Elas, hoje, se comportam como celebridade e até são idolatradas como tal. Algumas dão entrevistas na TV, outras aparecem em jornais, guias ou seja lá mais o que tiver de mídia impressa ou televisiva. Algumas devem até arriscar alguns autógrafos. Eu gostava de me sentir uma amiga de internet da menina que escrevia o blog que eu gostava e não uma mera expectadora de uma moça da minha idade que já rodou o mundo e que sabe como usar todos os pinceis de maquiagem (e que não me ensina a usar). 

Ok, nem tudo está perdido. Ainda tem muita menina que faz um blog do tipo "old school" da blogsfera mas elas não chegam perto de serem "as mais lidas". O que eu sei é que se eu tivesse um desejo, desejaria ter aqueles blogs com aquele jeitinho de "feito em casa" para ler, sabe? Sem muito retoque. Apenas uma pessoa, um teclado de computador e uma página em branco do blogger/wordpress aguardando para ser escrita.  

p.s.: Se você tem um bloguinho estilo "feito em casa" que tal deixar o link aqui para eu favoritar e amar para sempre

Pessoal

São as águas de março fechando o verão

21:14




Não tem nem um mês redondinho que as minhas aulas voltaram e eu preciso dizer: estou me afogando no meio de tantos números. Esse paragrafo que escrevo é só para avisar (a quem quer que seja que esteja lendo isso) é que, apesar disso tudo, ainda estou viva. Mas é que anda me faltando tempo para acessar a internet e isso atrapalha muito o meu processo criativo. 

Como assim? Simples. É que passo horas (durante as férias) lendo vários outros blogs e vendo várias imagens pelo we heart it da vida. E a equação (cata só a cê-dê-éfê falando) é simples: tempo pesquisando temas interessantes = tempo criando posts novos. Colocando o zero em qualquer um dos lados da igualdade, o outro tem que ser 0 também. 

A semana de provas está se aproximando e minha tensão tende a aumentar ainda mais. Mas são só as águas de março fechando o verão e me dizendo que acabou temporada praia - cinema - shows até o final do ano e me fazendo correr atrás do meu futuro (que eu espero que seja ótimo). 

Só continuo esperando que a sorte esteja comigo. 


p.s.: Pra não perder o costume, vou deixar a música que entitula o post. 

Pessoal

Ciao!

19:00


A palavra que dá título a esse post é uma saudação em italiano que poderia significar como um olá. Foi isso que eu aprendi (e mais algumas coisas básicas) na minha primeira semana de curso e tenho que dizer: estou amando!

Desde que conclui o meu primeiro curso de língua estrangeira (o bom e útil inglês) em 2013, coloquei na minha cabeça que eu tinha que aprender outro idioma porque é uma atividade que me liberta. 

Se tem uma coisa que eu descobri que amo fazer é aprender outras línguas. Coisa que para muita gente é desconfortável porque temos que sair da nossa zona de conforto das conjugações verbais corretas, sotaques, pronuncias, sílabas tônicas, dentre outras coisas, para mim é o maior prazer. O prazer de aprender pequenas expressões cotidianas até a construção de redações em uma língua que não é o meu idioma materno é libertador e não um fardo. 

Mas Érica, por que Italiano? Essa pergunta foi a que eu mais ouvi entre meus amigos e parentes que souberam que eu ia começar as aulas. A resposta é simples: Sou apaixonada pelo pedaço significativo da história da humanidade que se passou nesse país em forma de bota (Roma e o Vaticano, galera!!!!). 

A verdade é que eu quero através desse texto, incentivar as pessoas que começaram seus cursos de idiomas - por obrigação. A ideia é não se sentir forçado a tal coisa e, sim, se sentir impulsionado para fazer aquilo: seja por motivo de realização pessoal ou profissional. Sair da zona de conforto é sim muito bom e muitas vezes nem nos damos conta disso. 

Na verdade, quero dizer  também que estou ainda mais encantada com a escolha que fiz e em breve espero partilhar mais aventuras por aqui. 

Texto

Amem as mulheres reais

19:17


É fácil amar todas as mulheres durante um dia só. É fácil escrever textos e espalhar pelos quatro cantos da internet o quanto admira todas essas que o cercam. É fácil amar aquelas mulheres de salto alto, de olhos delineados e bolsas reluzindo de novas. 

Simples é sair por aí, distribuindo rosas e bombons só para mostrar que aprecia a delicadeza feminina pelo menos um dia em 365. Acredito que mais simples ainda é criar aqueles cartões bregas e postar no Facebook e marcar todas as mulheres, alguma das quais, não se troca nem um bom dia no decorrer da semana. 

É fácil se amar sendo mulher um dia só, enquanto todos a paparicam, exaltam suas qualidades, elogiam seu sorriso. É fácil dizer #whoruntheworld ao menos uma vez no ano e dizer que está feliz quando ganha uma cesta de café da manhã num domingo. 

É tranquilo estar se amando quando a TPM não bateu na porta, quando a cobrança no trabalho não é redobrada só porque estão exigindo isso de uma moça. Como não se adorar quando não se ouve de um professor de cálculo menosprezando sua capacidade de raciocínio lógico em prol dos garotos da sua sala? 

Nesse oitavo dia de março, eu peço que você aprenda a amar em dias que o batom não tem a cor certa, em dias que a lágrima tem vida própria ou quando há uma crise porque alguns quilos foram ganhos no ultimo mês. Peço que você ame e entenda, sem críticas duras, a todas nós. Muitas vezes temos fardos maiores que imaginam e não o expomos até o momento que sentamos no cantinho e deixamos a lágrima de frustração escorrer. 

Peço também a vocês, mulheres como eu, que amem os seus reflexos, que encanem menos com a balança, que não temam em ousar no novo corte de cabelo. Não se deixem abater pelas buzinadas quando estiver dirigindo, engrene a primeira marcha e saia andando devagarinho e não tenham medo de fazer a conta de multiplicação nos dedos, se esse é o método que lhe dá certeza do seu resultado. Afinal, só nós sabemos a dor e a beleza de sermos o que somos e devemos nos amar cada dia mais por isso.  

Música

Aperta o play: Covers

15:00


Se existe uma coisa que eu amo fazer nessa vida é procurar por covers (obrigada, Youtube). Tem tanta gente talentosa por esse mundo que eu fico realmente impressionada com que eles podem fazer: desde mashups (que são aquelas uniões entre duas músicas), até covers gravados em quartos bagunçados mostrando vozes extremamente potentes. 

Muitas músicas ficaram famosas nas suas versões covers e nós nem sabemos. Eu, na verdade, prefiro procurar essas versões de músicas que já ficaram conhecidas no seu original porque dá pra sentir a diferença entre os talentos, as versões, as leituras. 

Hoje é dia de trazer essa galera que lança esse tipo de trabalho pela internet. São 5 versões de músicas bem legais e que me deixam na dúvida entre o que é o mais legal: Original ou o cover?


Sugar - Sam Tsui 



Mirrors - Boyce Avenue e Fifth Harmony


Bang Bang - Max, Sam Tsui e Kurt Schneider



Summertime Sadness - Miley Cyrus



Boom Clap - Charli XCX


Vocês tem algum cover bacanudo pra me indicar?


Utilidades

Cinco links para: Ajudar na organização

20:00


Um dos meus maiores passatempos nesses últimos dois meses foi navegar na internet em busca de dicas para organização pessoal. Eu sempre tive agendas mas, comecei a perceber que precisava de algo mais para me ajudar nessa correria de vida de universidade. Além do mais, esse ano eu comecei o italiano (sonho da vida toda), vou começar a dar aulas, me inscrevi pra empresa Jr. da faculdade além das aulas. Pra eu dar conta disso tudo, arrumei umas coisas bem legais para me ajudar. 

Achei TANTAS coisas úteis que resolvi compartilhar aqui. Vou tentar usar todos esses recursos, quem sabe no decorrer do semestre eu esteja inteira e venha aqui contar como as coisas tão indo.... 


Que a sorte esteja ao meu favor nesse semestee

Texto

Ler não é tortura.

20:06


Se tem uma causa desse mundo que eu me identifico e apoio é a difusão da leitura. É que eu sempre fui uma leitora nata, daquelas que as leituras obrigatórias do colégio não eram nada torturante e que sempre era a primeira a terminar e tinha quinhentas interpretações sobre os textos.

Eu me sentia mal quando ouvia boa parte dos meus colegas de turma falando mal desses livros, da obrigatoriedade deles, e que muitos deles pegavam os resumos pela internet só para fazerem a prova da semana seguinte. Eu não entendia como algo que, para mim, era tão prazeroso e rápido de se fazer e, para todos os outros era basicamente um instrumento de tortura.

Andei reparando nas minhas últimas andanças: as coisas estão mudando. 

Vejo muito mais gente lendo nos ônibus, muita gente transitando com a mais diferente gama de títulos pela cidade, vejo grupos nas redes sociais para discussão e troca de títulos. Vejo muitos lábios se mexendo sem emitir som durante a empolgação da descoberta de um crime em um livro do tipo policial ou um sorrisinho na leitura de algum romance.

Isso me enche de orgulho, sabe?

Não vejo só pessoas da minha geração entretidas dentro de uma livraria e, sim, gente de todas as idades. Amo quando vejo alguém numa fila lendo um título que eu já li porque, dá uma vontade louca de falar: "Eu amei esse livro" e começar a mais nova amizade da vida toda ali, no banco, no correio ou onde quer que seja.

E, para o meu alívio, constato que: O livro não está nem perto de morrer. O hábito do virar páginas, colecionar marcadores e cheirar folhas novas está aí, mais vivo que nunca! Não sei a quem devo agradecer por essa mudança.

 Talvez as editoras, aos autores, ou até mesmo a esses novos leitores. Seja para quem for, obrigada!

(continuem lendo, escrevendo e produzindo)

Música

Aperta o play: Nacionais queridas

23:20


Primeiramente: Sim, eu ainda vivo! Passei uns tempos longe porque estava arrumando aquelas coisas de começo de ano  aí depois veio o carnaval e aí já sabem....

Como eu gosto de quebrar regras, em pleno dia da premiação do Oscar eu trouxe um post sobre??? Isso mesmo, música! (é que não deu pra assistir os indicados desse ano, talvez ano que vem)

Hoje eu trouxe aqui as minhas nacionais do coração. Não são lançamentos mas são aquelas que estão na minha mente na maior parte dos dias, seja pelos ritmos, pela letra ou porque ouvi alguém cantando e ela ficou na minha mente. 

Confesso que sou a louca apaixonada pelas canções e bandas que marcaram lá os idos dos anos 80: Barão Vermelho, Legião Urbana, Capital Inicial, Paralamas do Sucesso e ultimamente tenho . Não vou fazer a desentendida porque também dancei muito com o É o Tchan com minhas primas e tias nas festas de família lááááá no começo dos anos 2000 (vem dizer que nunca ralou o tchan?). E é isso que eu gosto da música nacional, sabe? Muitas delas marcaram minha infância, comecinho da adolescência e cada uma tem sua peculiaridade: seja um ritmo de sanfona, saxofone ou do bom e bonito pandeiro.

Hoje eu trouxe 5 músicas nacionais que moram eternamente no meu coração (hoje não tem Tchan mas, quem sabe da próxima?) : 

O Último Romance - Los Hermanos



Pra Sonhar - Marcelo Jeneci 
(prepare o lenço para assistir esse vídeo)



Uma Brasileira - Paralamas do Sucesso


Sina - Djavan



Maior Abandonado - Barão Vermelho



Quais são as músicas nacionais que vocês mais gostam? Me contem! 

Pessoal

Lista: Relembrando os tempos de colégio

00:08


Essa época que varia entre final de janeiro e início de fevereiro até uns dois anos atrás era uma das épocas do ano que eu ficava mais animada (talvez só perdesse para o meu aniversário) e o motivo era: Época de volta às aulas!

Eu não só ficava empolgada com as coisas de papelaria (até hoje fico mas, isso é assunto pra outra conversa) mas também amava pegar meus livros didáticos e dar uma folheada, pra ler os assuntos de história, passar o olho por geografia, ler todos os textos do livro de português e ver o quanto eu teria de estudar matemática durante o ano. 

Vendo dezenas de blogs por aí, vi os materiais escolares de um monte de guria, textos sobre expectativa e dúvidas sobre vestibular. Aí, resolvi aproveitar e escrever uma  lista: Dez coisas que me lembram os tempos de escola!


  1. O costume de arrumar bolsa/mochila na véspera. Minha mãe me obrigou a fazer isso durante muitos anos da minha vida acadêmica e hoje isso é um costume incurável, arrumo TUDO na véspera. Porque segundo o ditado da mamãe: "Quem não se arruma na véspera, no dia não vai na festa". 
  2. Mania de organização. Quando eu era bem novinha, minha letra era bem horrenda e meus cadernos viviam soltando folhas. Daí minha mãe começou a me colocar para fazer caligrafia, e de quando em quando olhava meu caderno pra ver se tava tudo arrumado e se não tivesse: Passar a limpo! O bom é que hoje eu vejo muita gente lá na faculdade se atrapalhando todinho e o meu caderno está sempre colorido, organizado, e entendível. Ah, a minha letra melhorou muito.
  3. Uniformes. Estudei em escola Adventista durante 7 anos da minha vida escolar. Aí tinha o uniforme completo: saia no joelho, camisa azul, tênis preto ou branco e a meia da escola. Hoje quando vejo os alunos da minha mesma escola vejo o quanto o sistema pode ter perdido a rigidez sobre isso. 
  4. Vans escolares. Eita, que o que eu tenho de história das conduções escolares que eu tive na minha vida..... Sempre que vejo uma por aí cheia de criança/adolescente dentro me lembro desses tempos. 
  5. Enroladinho de Queijo e Presunto, Toda santa sexta-feira o meu pai me liberava do lanche levado na lancheira e me dava o dinheiro para eu lanchar na escola e era certo: Enroladinho de queijo e presunto + copo de 200 mL de refresco. Ô vida legal! 
  6. Power Point, Hoje em dia, na faculdade, quase não faço apresentações. Porém, durante o meu ensino médio eu virei praticamente uma perita no assunto de tanta apresentação de seminário que eu fazia. Por isso, hoje, sempre que abro o programa para ajudar alguém na elaboração de slides, lembro de um monte de aperto que passei fazendo isso. 
  7. Livros de Harry Potter. Essa história é bem engraçada: Eu estudava em escola Adventista e estava lendo o último livro de Harry Potter. Eu tinha o costume de ler durante a aula enquanto esperava a explicação ou quando já tinha terminado a lição de sala. Daí uma professora minha de ciências (eu era 7ª série na época) ficou abismada e perguntou se minha mãe sabia que eu estava lendo livro de bruxaria. Imaginem a cara dela de espanto quando eu disse que tinha sido a minha mãe quem tinha me dado o livro
  8. WinRar. Isso é outra coisa engraçada: No primeiro ano de ensino médio, mudei de escola (saí do Adventista pro SESI) e a escola do SESI tinha sido recém inaugurada (antes o prédio do ensino médio era no outro canto da cidade e junto com os guris de ensino fundamental. Justo no ano que eu entrei eles mudaram de lugar) e aí só tinha UMA opção de ônibus para a grande maioria dos 1500 alunos do meu turno. Aí a gente dizia que ia pra escola compactado pelo WinRar de tão lotado que o ônibus ia. 
  9. Ir no centro da cidade. Isso me lembra muito minha época de ensino médio porque eu precisava ir no Centro com meu pai para comprar meus livros didáticos. Os livros eram enormes. Fora que também era dia de comprar caderno, caneta, sapato... Eu e meu pai saíamos de lá sem condições de carregar nem um saco de pão. 
  10. Sorteios. Eu sou a azarada dos sorteios desde a época da escola: sempre caia em grupos terríveis para fazer trabalhos (e sempre eram os trabalhos enormes que os professores resolviam fazer isso), sempre pegava os piores temas, e sempre era a primeira a apresentar. Tudo por causa de sorteio. Cheguei a conclusão que: se eu depender de sorteios para enriquecer, serei uma eterna classe C. 

E vocês? Quais são suas maiores lembranças (boas ou ruins) da escola?

Ah, esse post foi inspirado pelo 'meme' do mês lá do Rotaroots, um grupo do

Música

Músicas da semana

21:02


Não sou acostumada a dar dicas de músicas, livros, conselhos sobre a vida e a morte. Mas desde que comecei a ter a ideia desse blog, pensei que precisava mudar isso. Dessa forma, vou tentar começar a ter uma categoria de música por aqui e vou trazer pra cá tudo o que estiver tocando nos meus fones de ouvido ou na minha mente. 

Não garanto que só serão lançamentos e também não vai rolar só música antiga por aqui. Acho que músicas que nos fazem feliz devem ser mostradas, independente de qualquer rótulo. Ah! Outra coisa: Vou tentar atualizar isso aqui semanalmente, mas já não garanto tanto disso acontecer quando começarem minhas aulas (quero voltar pro começo das férias agora). 

Enfim, espero que gostem da minha seleção de músicas da semana: 

Janta - Marcelo Camelo e Mallu Magalhães



Uptown Funk - Marl Ronson e Bruno Mars

(essa música me fez lembrar de algumas do Michael Jackson)


Red - Taylor Swift



Sou dela - Nando Reis